14.11.16

4 poemas na Mallarmagens

Esse mês, 4 poemas meus foram publicados na revista Mallarmagens. Leia um deles aqui e siga para a revista.

Evidente

Simples e óbvio
como qualquer coisa
invisível;

Evidente
tal e qual tudo
o que é incompreensível:

a sua ira, a minha
culpa, a nossa
pendenga,

da qual só vi
as transparentes
consequências.


4.11.16

Entremanhã


A ternura de um fim
De semana iminente
O pensamento estético
Puramente assim

A noite se pôs
Mais cedo e o manto
É do dia e é o dia
O canto mais frágil

Talvez não a festa
Do descanso
Ou mesmo o silêncio
Talvez o árduo apenas

Mas resta esse pouco
Que fica no que vai
Esse espaço entre
Um fardo e outro