11.5.06

QUANDO FALA

.

... enquanto minha cabeça se movimenta
pra cima e pra baixo em flexões pausadas
é a entreabertura dos seus olhos que me ocupa a mente
os arcos de pêlos delineados que dinamicamente os sobrepõem
e me fixo nos dentes em meio aos leves lábios que mexem
ora é na espessura do nariz (que sonho tocar o meu)
e ora no caimento dos cachos dos cabelos seus,
a pele, o queixo e as várias combinações desses elementos.

Há no seu rosto infinitas obras-primas
cheias de mensagem, subtexto e entrelinhas
que leio, releio, leio tudo, todos os sentidos capturo
além dos poucos intencionais e verdadeiros.
Ah! E esse som da sua voz, ouvi-lo é tão belo quanto seus ouvidos...

– o que? Estava falando comigo?
Ah, desculpe, não estava prestando atenção.

------------------------------------------------------
* Tava relendo uns escritos antigos e encontrei esse que é um de meus favoritos...

10 comentários:

eduardo disse...

Voc~e tem um cuidado com as palavras para escrever. Preciso disso. Parabéns pelo blog.
http://dudve.blogspot.com.br
http://cartasintimas.zip.net

Assim é, se lhe parece disse...

rapaz... não entendi muita coisa... será um narcisismo solto no ar? (um narcisismo "bonzinho e bem intencionado" rs..).

Mas gostei das palavras, você meio que as desliza... para escrever assim e preciso cuidado né? Eu as vezes tento mas ensabôo (é assim?), enfim... No final, raras vezes consigo o tempo entre a amida e o sulfônico do meu sabão!! hehehe
abraços meu caro!!!

Ellemos disse...

Excelente!

Que atenção prestava, hein? Tanto que perdeu algumas sílabas...
Ah... Poesia! Transformar detalhes em versos...!

Bjs.

Aerodrama disse...

Muito bom!!!Muito bom mesmo!!

Te linkei também.

Um abraço,
Aerodrama

ricardo disse...

leandro,
obrigado por sua visita na minha página e pelo link.
belos textos os seus.
um abraço do
ricardo

Melina disse...

Como prestar atenção em umas poucas palavras, se o contorno da boca se movendo devagar delicia a percepção a todo instante?
Isto, sem falar nos dentes, no nariz, nos olhos, nos cachos que rodopiam no ar...
Tudo pede atenção. Todo pequeno detalhe. E a fala vira trilha sonora, música ao fundo. Só.
É preciso muito amor para lembrar da existência das palavras e escrever algo tão bonito assim.

Beijo!

pedro pan disse...

, a paisagem que é a pessoa amada. o olhar descansa & viaja cada detalhe.
, de aerodrama cai aqui, depois volto para ler mais.
|abraços meus|

Anônimo disse...

Amei! A sua sensibilidade é encantadora. Parabéns! Admiro muito vc!
Grande beijo
Roberta

Vanessa disse...

Poucas vezes li uma poesia que me parecesse ao mesmo tempo tão real e tão singela quanto essa. Deu até vontade de prestar atenção assim...rs... Também se tornou uma das minhas favoritas agora! Beijo, poeta!

Anônimo disse...

I really enjoyed looking at your site, I found it very helpful indeed, keep up the good work.
»