17.7.06

PRESENTE DO SUBJETIVO

.

Tenho tendência pra variedades.
Me visto em quase-outros em função dos entornos.
Absorvo transfomações por contextos.
Possuo um eu pra cada um.
Em verdade, minhas verdades se multiplicam para ajustes.
Na minha mais pura verdade.
Eu jogo de futuros com quem converso.
Minhas mentiras também são puras.
Por isso é que entendo os desentendimentos comigo que tenho.
Pelo mesmo motivo que não entendo meus entendimentos que prenho.
Sou meio esponja meio pilha alcalina.
E sigo por outros meios.
O ar que expiro também tem oxigênio.
Toda atmosfera é um pouco promíscua.
E eu: átomo e fera e outros e.
Mas, por ora, só palavras mesmo.
E a esmo.
Mas só por agora.

^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

Alô Zidane, lugar de cabecear é aqui!

27 comentários:

clarice disse...

Tua inspiração anda a tantas
que recomendo carregues papel e lápis por qualquer trilha que andares, anote todos teus pensares.
Ótimo Subjeito!!!
Carinhos

Valéria disse...

palavras nunca são a esmo...nunca.
beijo

Márcia(clarinha) disse...

Eu agora uma ostra querendo que ninguém me queira abrir nem me sorver..
Linda noite querido,
beijosssssssss

pedro pan disse...

, é bom seguir por outros meios. outros caminhos...

|abraços meus|

Cristiano Contreiras disse...

puro quereres de um versátil sábio!

Ellemos disse...

Jardim! Esta florzinha de poema vai ficar plantada no vaso das minhas preferidas!

Nem tenho palavras. Nem a esmo. Só estas singelas gotinhas d'água que humildemente te ofereço agora...

Beijinhos...

Múcio Góes disse...

falo a esmo
com meu espelho
e comigo mesmo

[]´s

A czarina das quinquilharias disse...

gosto das mentiras despropositadas.

ah, não se preocupe, suas intromissões estão sendo apreciadas =D

Nanna disse...

Um por todos, e todos em você...

Beijos!
:)

douglas D. disse...

dos muitos, tantos
poucos, por ser mais
além
ali
mesmo longe
daqui
alcançar
as palavras
que soam
feito cantigas
- jardins -

Ariane disse...

meias verdades nada mais são que meias mentiras, e já que mentira tem pernas curtas, coloca uma meia verdade no pé dela e tudo bem :)
gostei do seu estilo
gostei do teu blog
gostei da sua intensidade

ObservadOOr disse...

Também me absolvi de mim mesmo, motivos diferentes mas da mesma forma coerentes. Abraços

Bill disse...

ó.Ò
Estou ainda com suas palavras ne mente... Batendo em todo canto...
Perfeito... Quantas vezes penso isso...
"Me visto em quase-outros em função dos entornos." / "Por isso é que entendo os desentendimentos comigo que tenho"

Perfeito... A vezes um nós não suporta o outro... E ser passa por momentos que nem são...

Linkei seu blog... Para passar por qui sempre... Tudo muito bom adorei...
Parabéns pela bela escrita.

[s]s

katheryne disse...

Oras, Leandro, vc. é múltiplo! que maravilha! beijos e carinhos kathy

Priscilla Martins disse...

"porque tudo que acontece eu escrevo,
tudo que me faz parar.
essa é a inércia dos meus desejos:
nada posso fazer senão escrever
sobre tudo que não pára
dentro de mim que estou parada.
sou contradição entre discurso e ação.
o tempo todo discordo de mim mesma
e não pertenço a lugar algum...
se sentir desabrigado sob um teto
é a hipocrisia mais íntima e indestrutível,
porque o seu lar está dentro de você,
e o seu teto pode ser de estrelas
ou de concreto - de você não dá pra se mudar,
não dá pra correr, no máximo se esconder
no breve intervalo deste texto."

p.s.: qualquer semelhança é mera coincidência, juro!
também gostei do que vi aqui.
obrigada! abraço!

m.t. disse...

por agora, vejo flores no jardim..

:]

possuis um 'eu' para cada um,
pra agradar todos de uma vez!

Jefferson de Souza disse...

Verdades e mentiras
--mesmo que puras...
Palavras
--mesmo que
a esmo...
Oxigênio
--mesmo que
impuro...
É disso tudo
--e mais um pouco--
que os escritores são feitos
--e para que são feitos também...

1[]! E valeu!

Joana Corrêa disse...

esse poema me lembrou uma pessoa. me lembrou a jana, do noturnando; colocando nos seus dedos-mágicos ao escrever, toda sua intimidade. eu gosto disso...gosto de sentimentos, de exposição. essas palavras que fazem sentir. mentira ou verdade, eu sinto daqui o que você sentiu ou sente aí.

beijos, moço. e mais uma vez obrigada pela visita.

A czarina das quinquilharias disse...

concordo. apesar dos malditos cientistas dizerem que é o contrário.
eles não tem fígado para aguentar a verdade.
abraços alcoolicos, que preciso ir pro barrr.

Melson Ramone disse...

"Passeia pela fervente cidade noturna escolhe o teu castelo, teu reino particular repleto de belas histórias"

...e, em uma noite qualquer, quando elas forem tantas que transbordem dos teus olhos - elas, tuas próprias histórias - eu aparecerei, e então conversaremos sobre a Vida, a morte e o medo do fim. Tu me dirás das coisas que fizeste, de tudo que amaste e do que perdeste. Me mostrarás tuas conquistas e o teu Mundo. Nessa noite, será a minha vez de fazer as perguntas.

Em que tu acreditas? Acreditas no amor? Acreditas em Deus? Ou no homem?
Do que se trata sua busca? O que te consome? Uma ausência, uma perda, um desejo?

O que serias capaz de dar por isso? Até onde podes chegar? Até a barreira imposta pelo teu medo? Ou rompendo todos os limites?
Quais são teus limites? Ou já não possuis nenhum?

E, eu espero, sinceramente, que não tenhas todas as respostas.
Então lembrarás de tudo que eu disse há muito tempo. Que aquele que guarda os segredos e conhece as respostas ainda espera por alguém que relamente queira saber. Ou há muito tempo já está morto, emagado sob o peso da própria verdade. Porém, o mais certo é mesmo que ele nunca tenha sequer existido...

Bruno Zanchetta.

Melson Ramone disse...

Estou indo - sempre
indo embora
o tempo inteiro
atrás
a busca
a busca

Insone
Incansável
Insaciável

O tormento do nunca
nunca encontrado
a espera
a angústia

(eterna, poderíamos dizer se ao menos o termo nos pertencesse)


Bruno Zanchetta.

eduardo disse...

Poema 1000!
Parabéns!!!

Ordisi disse...

Ser átomo é ser indivisível. Bom, né?

:)

Abrs.

Mary Jane disse...

Nada melhor do q palavras a esmo p traduzir c perfeição o q nossa alma sente...
Gostei daqui.
Beijos

Lia Noronha disse...

Sua alma de poeta...nos revela muito!
Adorei td por aqui.
Abraços de boa noite pra vc.

Clauky Saba disse...

Oi poetamigo Leandro,

Também gostei de sua casa ;)

Acho que todo poeta um dia (ou vários) questiona quantos é, inquere essa multidão inquieta e palavreira que mora dentro da cabeça da gente.

Seres vário?
Seres múltiplo?
Ah! Então seres Poeta!
Ck.

Poetabraços!

vanessa disse...

Você se superou!!! Não tenho nem palavras para comentar... Só que me vi no átomo e também na fera e nos outros e. Suas palavras nunca são a esmo... Muito menos agora!

Mil beijos, poeta!!!!!