7.4.06

TERRENO (E) FÉRTIL

(Para Morgana de Paula e Ariette Gibson,
duas leitoras amigas do orkut)
Há como te ser?
E o que é acontecer?
Se sonhos e lembranças tanto se parecem,
fechemos os olhos,
que as viagens acontecem.

Há como se entregar?
Se trago esse ar como cigarro,
se trago essa dor como pigarro,
e trato essas palavras num tecer,
eu faço um outro eu em você.

Ah, poesia, minha seita!
Ah, papel, que tudo aceita!
Vocês parecem minha cabeça.
Vocês parecem um jardim.
Onde cada flor que creça
(na palma),
não será mais do que capim
(da alma).

8 comentários:

Melina disse...

Notei um errinho só.
Coisa besta. Besteira minha.
Deixa pra lá.

Adorei a poesia! Linda, linda. A segunda estrofe ficou foda!

Depois do que você mesmo disse... Eu ainda preciso dizer alguma coisa? Nem sei...

Leandro Jardim disse...

precisa! diz,diz,diz... hehehe

Ellemos disse...

Ah! Como agradam meu paladar seus poemas! Que fértil este terreno, este Jardim!

Por favor, plante mais!

Vanessa disse...

Se a dor é como pigarro na garganta da alma, poesia se faz em um trago...

Bjokas e desculpa aí qualquer citação...rs

Leandro Jardim disse...

Citação mais bacana impossível!

Se vocês gostaram mesmo, me resta pensar que tem seu charme ser adubado pela vida!

Morgana de Paula disse...

Ufa!!!Só agora li!Obrigada pela lembrança!Nem mereço..não faço poesia só...sei lá.."grito socorro"

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.