31.12.06

Fim de ano, início de retrospectiva

Seguinte: vou iniciar a partir de hoje (e até quando der na telha) uma retrospectiva dos melhores poemas que postei no blog de 7. A seleção será minha e - como todas - arbitrária, claro... hehe. Todo domingo, então, haverá um inédito e um selecionado aqui, exatamente como hoje! Combinado?
Vamos lá, então:
.
POR UMA VIDA COM RIMAS
.
Poesia é o pigarro na garganta da alma.
Poesia é a liberdade a que me agarro quando falta calma.
Poesia é minha carta de amor e minha arma.
Minha poesia se arma de paixão e trauma.
.
Pensamento é caminho, é labirinto, é moinho de vento.
E o quanto varia em paz e tormento angustia.
Ora sento triste, ora sinto que um dia.
E me invento sozinho pra fazer poesia.
.
^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

(imagem da parte de dentro de um dos meus dois livrinhos da série poesia presente. Mais informações e fotos nos posts abaixo)
.
Previsão de vendas pelo correio:
a partir da 2ª semana de janeiro.

14 comentários:

Marla de Queiroz disse...

Jardinzin...
Tua poesia é literalmente um presente...À propósito...Cadê o meu?????!!!!!!!!rsrsrsrsrs...

2007 inspirador pra que eu possa entrar aqui e continuar tendo essa
deliciosa surpresa que é tua escrita.

Todos os beijos.

débora fernanda corrêa disse...

Existem metapoesias e existem poesias que dizem mais do que o ato poético, porque feito com palavras-sementes que germinam à disposição do olhar de cada um e também a suas vivências: todos temos pigarros e a necessidade do escarro, uns conseguem e outros fazem comentários para reduzir a agua na boca. Gostei bastante da delicadeza do seu blog-jardim

Nanna disse...

Aaaaaaaaaaaaaiii, eu quero também!!!! Cê entrega aqui no Canadá? :))))

Ficaram linnndos, dear!!!
Parabéns!

Beijos de fã...

Augusto Sapienza disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Augusto Sapienza disse...

Belo meta-poema, me identifiquei com o motivo da escrita, o que me leva a escrever!

"O que me dá o direito de ser poeta?
Hum, talvez...
Uma meia dúzia de palavras difíceis!"
Ele pensa...
Mas o que pede para poetizar
é sua essência!
Dê-a asas e talvez
no final de cortesia
o seu branco papel
torne-se uma poesia...
(O poeta, a inspiração incontentadora e a alada imaginação)

Feliz ano novo, um ano com muita mais poesia para todos nós!

Sandra Regina de Souza disse...

Feliz 2007!!! A seleção começou muito bem... vamos vir admirar essas flores plantadas noutro canto... e que nos alegram aqui... adorei!! Vc não precisa se inventar poesia... já é!!! Beijos

Anônimo disse...

Que coisa boa...

Que 2007 seja o ano das novidades felizes!

Beijo grande,
Alice

www.asmaravilhasdopaisdealice.blogger.com.br

Múcio Góes disse...

dito efeito, Sr. Jardim... sigamos ciganos das letras, nômades pelas estradas dos versos, sempre!


feliz 2007!

[]´s

Pedro Pan disse...

, grande jardim. não só restrospectiva, mas releituras mesmo...
, parabéns pelos teus livros. eu conheço um projeto semelhante aqui em minha cidade, um poeta aqui faz "poesia de arranque" e fica na padaria alemã da família dele, e os clientes vão arrancando e levando pra casa. ele mesmo que faz, produz tipo o seu projeto assim. mas, sucesso!
feliz 2007!
|abraços meus|

moacircaetano disse...

Grande idéia, rapaz!
Vou te imitar!
Quanto ao livro, assim que estiver disponíveis a nós, os pobres seres que vivem em outras paragens, quero saber imediatamente!
Abraços!

Juliana Marchioretto disse...

adoro tua poesia.

beijo

Iaiá disse...

Adorei as rimas. Amo amo amo rimas. :) bjos

Rayanne disse...

Poesia é sede que da alma do poeta, faz sede. Que cede encontro-versos, para que se dê amor à diversidade das letras!!!
Feliz dois mil e sempre, Jardinzim.
E reseva meu livrinho.

***Estrelas todas***

vanessa_fmc disse...

Oi, Leandro! Essa eu já conhecia... E gosto muito dela, diga-se de passagem. Um ótimo 2007 pra você também! E esse livro?! Parabéns!! Vou querer! Beijos!