29.7.08

Crepuscular

As horas fazem mais sombra
que abrigos ou entrelinhas.
O tempo também,
por outro lado, tem
postura de sol, de interruptor
de luz.

Enquanto eu, como
e com o globo
terrestre, giro.
E como a roda de um triciclo
ecôo ciclo,
ciclo, ciclo.

Mas não. Não é bem isso,
dado que é pura ilusão
o vínculo do que transcorre
com o ridículo dos meus atos:

o fato
é que sou, pelo movimento esparso,
apenas (e a duras penas)
um vão. Uma caverna
no aguardar de toda busca,
o paradoxo da lanterna:
que só presta a quem se ofusca.

-------------------------

amigos, aproveito o post pra fazer 3 divulgações importantes:
*
1. Esse final de semana começa a FLAP-SP 2008!
*
2. O caro amigo e poeta Anderson Fonseca
apresenta uma excelente nova safra de poetas
em seu blog, da qual, por sorte e orgulhosamente
*
3. Um poema meu serviu de mote para uma
bela foto, no blog de poesia erótica PAX:

12 comentários:

Sandra Regina de Souza disse...

Querido Jardim!!
Prometo me esforçar pra manter vivas e lindas todas as flores que vc plantou lá! (espero dar conta).
A sua semente poética brota aqui! Meus beijos!!!

Paula Jardim disse...

Nossa AMEI ESSE!!!!!!!!!!!
PARABÉNS!!!!!!!!!!!!

O final é incrivel....

bjs

Anderson Cádor disse...

Grande Jardim,

apareço por aqui e deixo um abraço forte. Gostei de teu vergel. Façamos uma amizade em palavras...
Apareça sempre, uma honra constante.

Abraços de sempre e sempre.
Cádor

Elenilson Nascimento disse...

Olá, estou aqui para convidá-lo a conhecer a LITERATURA CLANDESTINA:
http://literaturaclandestina.blogspot.com/
Conto com a sua presença por lá . Um abraço Elenilson

Pedro Vieira disse...

Fala Jardim!

Pois é, rapá!
Esse negócio de literatura nerd tá dando ibope! hehe

Daqui a pouco a fama sobe à cabeça e eu só vou comentar nos blogs alheios em troca de cerveja! hehe :P

e a vida de poeta, como anda? poetando muito? (caralho, devem te fazer essa piada idiota dia sim dia não, né? ehehe :P )

valeu rapá, um abraço!!

Dayana Araujo disse...

"Enquanto eu, como
e com o globo
terrestre, giro.
E como a roda de um triciclo
ecôo ciclo,
ciclo, ciclo."
^^
gostei muito dessa parte! é tipo o aterno retorno.. hehehhee
=**

Luciana F. disse...

Oi Leandro,
Gostei muito do seu blog.
Excelentes poemas.
Vc escreve em prosa tb? Onde?
Abs.,
Luciana

Dauri Batisti disse...

Lindo poema. "O fato é que sou apenas um vão." Do mais é continuar te desejando sucesso.

Marcia Barbieri disse...

seu poema me fez lembrar do ciclo de oroboro.

bonito e necessário

Abraço

Vanessa Oliveira disse...

Há tempos que não passo aqui.
Bom te ver a mil por hora!;o)

Beijos!!

Aline Aimée disse...

A eterna ilusão que sustenta uma espera... Belo poema, Leandro! Puxa, estava em Sampa esse fim de semana e nem tava sabendo da Flap...

Sw disse...

"o fato
é que sou, pelo movimento esparso,
apenas (e a duras penas)
um vão."
caracoles, gostei muito disso!!!

pois é..um vão, por ser vão..pode ser tanta coisa...

abraços